Home / Timor Leste / Timorenses vieram de longe até Lisboa, porque fazem questão de votar

Timorenses vieram de longe até Lisboa, porque fazem questão de votar

Muitos vieram do Porto ou de Aveiro para participar na escolha dos responsáveis políticos de Timor-Leste, que hoje se realiza, apesar de estarem a milhares de quilómetros do seu país, que alguns não visitam há muitos anos.

Muitos são jovens, a maior parte a estudar em Portugal, alguns, idosos, fazem parte da lista de eleitores inscritos em Portugal e todos chegam com calma e orgulho à Embaixada da República Democrática de Timor-Leste, em Lisboa, para votar nas eleições legislativas do país que consideram seu, mesmo quando têm dupla nacionalidade.

Esperam numa fila, que, entre as 12:00 e 13:00, não era extensa, conversam em voz baixa, seguindo o conselho de alguns cartazes.

Na entrada de uma sala, dois jovens, com a camisola amarela ou azul do processo eleitoral, verificam os cartões de eleitor.

Na última parte da espera, os eleitores podem sentar-se. O passo seguinte é o espaço amplo onde estão dez funcionários eleitorais e é apresentado o cartão, recebido o boletim de voto, de dimensão equivalente a uma folha A3, e feita a escolha entre as 21 hipóteses.

Para encerrar o processo, os timorenses molham o dedo indicador em tinta roxa, um procedimento igual àquele seguido em Timor-Leste, e que aí fará mais sentido que em Portugal, para evitar votação repetida.

O presidente do centro de votação, o diplomata Joaquim Fernandes, disse à agência Lusa que, em Portugal, estão registados 584 eleitores e, cerca das 12:30, já tinham votado mais de 200, “a maior parte vinda de fora – são estudantes no Porto, Aveiro, Évora ou Coimbra, o resto é de Lisboa”.

Para acompanhar o processo, na capital portuguesa, está uma equipa a que se juntam elementos vindos de Timor.

“A embaixada e o Governo português têm uma boa coordenação e facilitam todo o processo de recenseamento”, disse o responsável, acrescentando que, desde as 07:00 e até ao final da manhã, “tudo esteve calmo e correu muito bem”.

Joaquim Fernandes referiu a expectativa de conseguir uma “adesão maior [que nas eleições presidenciais], pelo menos 80%”, até ao encerramento da votação, que foi às 15:00, o mesmo horário seguido em Timor-Leste, mas com a diferença de oito horas.

Lino Borges, 32 anos, vive em Santarém há dois meses e meio, estuda língua e cultura portuguesas, e depois irá para Castelo Branco para fazer um mestrado em horticultura.

Descreveu para a Lusa as eleições como um momento em que, como cidadão, pode exercer o seu direito de escolher o que quer para o seu país. Neste caso, o objetivo é que o governo legislativo “possa levar Timor a um futuro melhor”.

Questionado sobre as prioridades para Timor-Leste, Lino Borges salientou que o país tem petróleo, mas “um dia vai acabar”, por isso, espera que o governo dê importância à agricultura, o segundo maior setor, para dar aos agricultores “uma vida melhor”.

Como nos países desenvolvidos, em Timor-Leste também “há problemas de corrupção e, como ‘geração anticorrupção’, espero que o próximo governo resolva” o problema, apontou o estudante.

Dirce Mouzinho, de 55 anos, saiu com 13 de Timor, esteve na Austrália e em Lisboa antes de, há 27 anos, ir para Madrid. Veio a Portugal “com muito orgulho, para votar” pelo seu país, pela primeira vez.

“O meu pai foi morto na guerra e é um sinal de respeito, uma homenagem”, este voto, referiu Dirce Mouzinho à Lusa, acrescentando que pretende contribuir para mudanças, principalmente na educação e na saúde pública, pois “o que se passa agora é que as pessoas que têm dinheiro podem sair para se tratar, e o povo não tem essa possibilidade”.

A educação e a saúde também são as prioridades apontadas para o futuro de Timor, por Tiago Cardoso, o presidente da Associação Uma Timor Salurik, a viver em Portugal desde 1975.

“Nós timorenses que estamos no exterior não nos sentimos excluídos e somos ativos na participação da vida política timorense”, um país recente que “está a aprender a viver com a democracia, com a construção de lideranças, e todos os problemas decorrem desta situação”, segundo Tiago Cardoso.

A comunidade timorense em Portugal já foi “muito mais forte”, descreve, mas uma parte foi para Austrália, com a independência alguns regressaram a Timor, outros foram para a Irlanda, por exemplo.

Para Vanessa Sereno, de 27 anos, que trabalha em Lisboa e tem dupla nacionalidade, é importante, através do voto, dar a sua voz e contribuir para escolher quem vai dirigir o seu país, mas também como mulher, quer “ser um exemplo”, pois as mulhres “têm de ter uma voz e uma posição na política”.

Esta votação, de onde sairão os 65 membros do Parlamento Nacional, que terá depois o poder para formar o VII Governo constitucional, é o segundo ato eleitoral, depois das presidenciais de 20 de março passado, organizado pelas autoridades timorenses, sem assistência das Nações Unidas.

Em jogo estão os 65 lugares no Parlamento que atualmente é composto por 30 deputados do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), que, em 2012, obteve 36,68% dos votos, 25 da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), que obteve 29,89%, oito do Partido Democrático, que obteve 10,30%, e dois da Frente Mudança, que obteve 3,11%.

Fonte : Lusa

...