Homem desfila sozinho pela Avenida com Portugal às costas

Um homem desfilou este sábado na Avenida da Liberdade, em Lisboa, com um grande bandeira de Portugal e alguns cravos vermelhos. De fato aprumado, e com PSP na rua, para controlar o trânsito e a afluência de pessoas, o homem cumpriu a tradição de milhares no Dia da Liberdade.

25 de Abril de 2020 vai ficar nas páginas da História. O Parlamento teve uma presença mínima de convidados e deputados na sessão solene da efeméride durante a manhã. Muitos, por Portugal fora, responderam ao apelo de Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril, e às 15 horas foram às varandas cantar a “Grândola Vila Morena”, senha da revolução imortalizada por Zeca Afonso. A pandemia da Covid-19 explica a diferença face a outros anos.

Pela lente de José Sena Goulão, da Agência Lusa, um homem desfilou às 15 horas numa Avenida da Liberdade deserta, em Lisboa. Sem carros, pessoas e só com a presença de agentes da autoridade. A bandeira gigante de Portugal pinta o quadro de uma avenida vazia, mas que todos os anos se enche de milhares de pessoas para festejar a liberdade e a democracia. Este ano, a pandemia obrigou a que ficasse sem gente e cravos vermelhos.

Um homem com uma bandeira de Portugal desfila na Avenida da Liberdade em Lisboa, por volta das 15 horas, altura em que anualmente se realiza um desfile comemorativo do 25 de abril de 1974 e que, devido à pandemia da covid-19, não pode ter lugar, em Lisboa, 25 de abril de 2020. Os 46 anos do 25 de Abril estão a ser hoje celebrados de forma diferente em Portugal, com uma sessão solene reduzida no parlamento, sem o tradicional desfile e com um apelo para que os portugueses cantem